• Com muitas opções de faculdades públicas e particulares de Medicina no país, é normal existirem dúvidas, como:

    • Quais e quantos vestibulares prestar?
    • Qual o número máximo recomendado de vestibulares?
    • E se coincidirem as datas de vestibulares? O que fazer?
    • Como decidir a 1ª e 2ª opção?

    Como recomendação geral, para os alunos residentes no estado de São Paulo, indicamos 6 vestibulares de faculdades públicas de excelente qualidade e prestígio:

    O Enem compõe parte da nota da Medicina Unifesp, sendo, assim, uma prova essencial para os vestibulandos de Medicina. Outras excelentes faculdades de Medicina fora do estado de São Paulo, como a UFMG e a UnB, adotaram o Enem como prova de seleção.

    Existem também ótimas opções de faculdades particulares no país. Entre elas, podemos citar:

    Em muitas dessas instituições, é possível financiar os estudos por meio de programas como o FIES (Fundação de Financiamento Estudantil). Para os alunos que cursaram o Ensino Médio em escolas públicas, o PROUNI (Programa Universidade Para Todos) é outra possibilidade de cursar gratuitamente Medicina em instituições particulares.

    Outras seções deste portal detalham um pouco mais sobre os rankings de qualidade das faculdades e sobre Medicina no exterior.

    • Quais e quantos vestibulares prestar?

      • Ao decidir quantos vestibulares prestar, o aluno deve levar em conta que, ao exagerar na quantidade de provas, o seu desempenho e as chances de aprovação podem diminuir. Uma maratona exaustiva de exames ocasiona um cansaço grande (o que diminui a concentração nas provas) e uma perda de foco excessiva, já que no período de revisão é importante que o aluno tenha tempo livre para resolver provas de anos anteriores. Cada prova tem sua particularidade, como o peso por matéria, a quantidade de questões dissertativas e objetiva, a duração e o nível de dificuldade, o que torna necessário esse tempo para se familiarizar com cada avaliação. Por isso, geralmente não recomendamos que os alunos prestem mais que 12 vestibulares em um período de 2 meses.
    • E se coincidirem as datas de vestibulares?

      • Em algumas situações, as datas dos vestibulares de diferentes instituições podem coincidir. Alguns caminhos para decidir quais prestar são:
        • Listar uma média de 25 faculdades de Medicina, em ordem de prioridade, que você deseja cursar;
        • Realizar as inscrições para os vestibulares de acordo com a ordem criada;
        • Caso a data de um vestibular coincida com a de outro, priorizar a inscrição da faculdade que está mais no topo da lista feita;
        • Em alguns casos, a 1ª fase de um vestibular coincide com apenas a 2ª fase de outro; nessas situações, é possível se inscrever para as duas provas e decidir posteriormente qual será feita.
    • Como decidir a 1ª e 2ª opção?

      • Para se decidir entre 1ª e 2ª opção, é importante, inicialmente, ler o manual do candidato, pois existem detalhes que diferenciam cada método de seleção.

        Vamos ilustrar o caso da Fuvest, que é o método de seleção para a Faculdade de Medicina da USP de São Paulo, Ribeirão Preto e Santa Casa. De acordo com o manual, “Há carreiras que se constituem de apenas um curso e carreiras que se constituem de mais de um curso. Na inscrição, pela internet, o candidato deve indicar apenas uma carreira e os códigos dos cursos desejados, dentro da mesma carreira, em ordem decrescente de preferência. Assim, deve indicar, em primeiro lugar, o curso que mais deseja, até um máximo de 4 cursos. Se a carreira tiver um único curso, deve indicar somente esse curso.”.

        A carreira 500 é a de Medicina e engloba dois cursos: Medicina USP e Medicina Santa Casa. Essa carreira possui provas específicas de Física, Química e Biologia.

        Assim, a nota de corte para essa carreira é apenas uma, independentemente da primeira ou segunda opção do aluno. Após a 2ª fase da Fuvest, os alunos são classificados com base nas médias finais. Feito isso, as vagas são completadas conforme as opções. Ou seja, um aluno que colocou como 1ª opção Santa Casa não tem nenhuma vantagem competitiva em relação a um aluno que colocou 1ª opção Medicina USP. A nota final é o que dita quem vai ocupar as vagas.

        Veja a simulação abaixo, caso existissem apenas 5 vagas na USP Pinheiros:

        O aluno que está na 4ª posição geral colocou 1ª opção Santa Casa e, mesmo tendo nota para ser aprovado na USP Pinheiros, não será convocado para esta. Portanto, sempre recomendamos colocar USP como 1ª opção. É importante notar que colocar um curso fora da carreira (como Odontologia ou Biologia, por exemplo) também não é recomendado, já que inicialmente é preciso sobrar vagas após todos os candidatos que optaram por essa carreira serem convocados para matrícula. E isso normalmente não acontece na USP.

        Ao optar por Pinheiros, o aluno também pode concorrer às vagas da Santa Casa. E como a lista de espera costuma rodar bastante (em 2014 foram convocados candidatos até a posição 652), em geral é a opção mais procurada.

        A carreira 505 também é de Medicina, porém destinada apenas às vagas da USP Ribeirão Preto. As provas de conhecimentos específicos englobam Geografia, Química e Biologia. Como são carreiras diferentes, é impossível colocar como 1ª opção USP Pinheiros e 2ª opção USP Ribeirão Preto.



    Em relação à nota de corte, houve pouca diferença ao longo dos últimos anos:

    Notas de Corte - Fuvest

    Na 2ª fase, também existe uma pequena diferença nas médias dos aprovados. As estatísticas divulgadas pela Fuvest sobre o primeiro dia de provas (Português e Redação) indicam um desempenho pouco melhor dos candidatos de Pinheiros (68,76) em relação aos de Ribeirão (64,72).

    No segundo dia de provas (Conhecimentos Gerais), também percebemos uma pequena diferença nas médias dos aprovados, sendo 71,02 Pinheiros x 66,19 Ribeirão.



    Rodrigo Fulgêncio
    Coordenador da Turma Medicina
    Sistema de Ensino Poliedro

Assuntos Relacionados